top of page

[LINGUÍSTICA E SEMIÓTICA] Estruturas sintáticas

A estrutura sintática é o estudo da organização das palavras em uma frase. Ela é responsável por determinar o sentido e a relação entre as palavras.

Neste artigo, vamos aprender a usar as principais conjunções, substantivação, frases reduzidas e tempos imperfeitos, com exemplos para facilitar o entendimento.


Conjunções

As conjunções são palavras que ligam duas ou mais orações ou frases. Elas podem ser classificadas em coordenativas e subordinativas.


Conjunções coordenativas

As conjunções coordenativas ligam orações ou frases independentes, ou seja, que têm sentido completo isoladamente.

As conjunções coordenativas podem ser classificadas em:

  • Aditivas: indicam adição ou soma. Exemplos: e, nem, mas, também, ainda, bem como, salvo, senão, salvo se, ou.

  • Adversativas: indicam oposição ou contraste. Exemplos: mas, porém, contudo, todavia, no entanto, entretanto.

  • Alternativas: indicam escolha ou alternância. Exemplos: ou, ou...ou, ora...ora, quer...quer, seja...seja.

  • Conclusivas: indicam conclusão ou consequência. Exemplos: logo, portanto, por conseguinte, por isso, por isso mesmo, pois, assim, por tanto.

  • Explicativas: indicam explicação ou esclarecimento. Exemplos: pois, porque, que, porquanto, visto que, uma vez que.

Aditivas: Ele e a irmã foram ao cinema.
Adversativas: Ele mas não gostou do filme.
Alternativas: Quer vá ao cinema, quer fique em casa, eu vou te acompanhar.
Conclusivas: Ele foi ao cinema logo chegou atrasado para a aula.
Explicativas: Ele foi ao cinema porque queria ver o novo filme do Batman.

Conjunções subordinativas

As conjunções subordinativas ligam orações ou frases dependentes, ou seja, que não têm sentido completo isoladamente.

As conjunções subordinativas podem ser classificadas em:

  • Conjunções subordinativas integrantes: introduzem orações subordinadas substantivas, que exercem a função sintática de sujeito, objeto direto, objeto indireto, complemento nominal, aposto ou predicativo do sujeito.

  • Conjunções subordinativas adverbiais: introduzem orações subordinadas adverbiais, que exprimem circunstâncias de modo, tempo, lugar, causa, condição, finalidade, consequência, concessão ou comparação.

Conjunções subordinativas integrantes

  • Sujeito: O que ele queria era ficar em casa.

  • Objeto direto: Ele disse que queria ficar em casa.

  • Objeto indireto: Ele pediu para ficar em casa.

  • Complemento nominal: A notícia de que ele estava doente me deixou preocupado.

  • Aposto: A menina, que era muito bonita, chamou a atenção de todos.

  • Predicativo do sujeito: O homem que eu vi era seu pai.

Conjunções subordinativas adverbiais:

  • Modo: Ele fez o trabalho como eu havia pedido.

  • Tempo: Ele voltará quando tiver terminado o trabalho.

  • Lugar: Ele foi ao cinema onde eu estava.

  • Causa: Ele ficou triste porque perdeu o emprego.

  • Condição: Ele sairá se você o convidar.

  • Finalidade: Ele estudou para passar no vestibular.

  • Consequência: Ele estudou tanto que ficou exausto.

  • Concessão: Ele é rico, mas não é feliz.

  • Comparação: Ele é mais inteligente do que você imagina.

Substantivação

A verbalização de substantivos é um processo linguístico que consiste em transformar um substantivo em um verbo. Isso pode ser feito de duas maneiras: por derivação ou por conversão.


Verbalização por derivação

A verbalização por derivação ocorre quando o substantivo é transformado em verbo por meio da adição de um sufixo ou prefixo. Os sufixos mais comuns usados para verbalizar substantivos são:

  • -ar: falar (de fala)

  • -er: ler (de leitura)

  • -ir: dormir (de dormência)

Os prefixos mais comuns usados para verbalizar substantivos são:

  • des-: desfazer (de feito)

  • re-: refazer (de feito)

Exemplos:

  • corrida (substantivo) → correr (verbo)

  • leitura (substantivo) → ler (verbo)

  • dormência (substantivo) → dormir (verbo)

  • feito (substantivo) → desfazer (verbo)

  • feito (substantivo) → refazer (verbo)

Verbalização por conversão

A verbalização por conversão ocorre quando o substantivo é usado com valor de verbo sem a adição de nenhum morfema.

Exemplos:

  • O livro está na mesa. (substantivo)

  • O livro está sendo lido. (verbo)

  • O amor é um sentimento nobre. (substantivo)

  • Eu amo você. (verbo)

Dicas para verbalizar substantivos

Ao verbalizar substantivos, é importante prestar atenção às seguintes dicas:

  • Considere o significado do substantivo. Alguns substantivos têm um significado que sugere uma ação, o que facilita a sua verbalização. Por exemplo, o substantivo corrida sugere a ação de correr, então é fácil verbalizá-lo para correr.

  • Observe a conjugação do verbo. O verbo verbalizado deve concordar com o sujeito da frase. Por exemplo, o substantivo livro pode ser verbalizado para ler, que é um verbo conjugado na terceira pessoa do singular.

  • Use o dicionário. Se você tiver dúvidas sobre como verbalizar um substantivo, consulte o dicionário. O dicionário pode fornecer informações sobre a classe gramatical do substantivo e sobre a sua conjugação.

5 visualizações0 comentário
bottom of page