top of page

[GÊNEROS TEXTUAIS] Elementos da Narrativa

Atualizado: 7 de fev.



Se você já se perdeu nas páginas de um livro emocionante, se emocionou com um filme inesquecível ou se encantou com uma história contada ao pé da fogueira, saiba que você mergulhou no universo mágico da narrativa. Mas o que realmente dá vida a essas histórias? Quais são os ingredientes secretos que as tornam tão envolventes?


A resposta está nos elementos da narrativa: os pilares que sustentam e dão forma a qualquer história, seja ela real ou fictícia. Neste blog, embarcaremos em uma jornada para desvendar cada um desses elementos, explorando suas definições, características e exemplos práticos.


Personagens: A Força Vital da História

Os personagens são os seres que habitam o mundo da narrativa, dando vida aos acontecimentos e tecendo a trama. Sejam heróis, vilões, coadjuvantes ou criaturas fantásticas, cada personagem é único e possui características que o definem, como:

  • Personalidade: traços que moldam o comportamento do personagem, como bondade, ambição, timidez ou bravura.

  • Motivações: os desejos e objetivos que impulsionam as ações do personagem na história.

  • Conflito: as dificuldades e desafios que o personagem enfrenta em sua jornada.

  • Evolução: as mudanças que o personagem experimenta ao longo da história, aprendendo e crescendo com suas vivências.


Hermione Granger: em Harry Potter, a personagem é caracterizada por sua inteligência, perspicácia e lealdade. Sua principal motivação é o desejo de aprender e ajudar seus amigos.

Darth Vader: em Star Wars, o vilão é movido pelo poder e pela ambição. Ele enfrenta um conflito interno entre o bem e o mal. Ao longo da história, Darth Vader experimenta uma transformação significativa, redimindo-se de seus atos.


Os tipos de personagens

Na narrativa, os personagens desempenham papéis diversos e podem ser classificados em vários tipos, dependendo de suas características, funções na história e desenvolvimento ao longo do enredo. Aqui estão alguns dos principais tipos de personagens:


1. Protagonista:

  • O protagonista é o personagem principal da história, em torno do qual a trama gira. É geralmente o personagem que enfrenta o conflito central e passa por uma jornada significativa ao longo da narrativa.

2. Antagonista:

  • O antagonista é o personagem que se opõe ao protagonista e representa o conflito principal da história. Ele pode ser um vilão, um adversário ou uma força da natureza que cria obstáculos para o protagonista.

3. Personagens Secundários:

  • Os personagens secundários desempenham papéis de apoio na história e interagem com o protagonista de várias maneiras. Eles podem ser amigos, familiares, mentores, aliados ou interesse romântico do protagonista.

4. Personagens Terciários ou Tertius:

  • Esses personagens têm papéis menores na história e geralmente aparecem em cenas específicas para fornecer contexto, enriquecer o ambiente ou mover a trama adiante. Eles podem ser personagens cômicos, extras ou figuras passageiras.

5. Personagens Redondos e Planos:

  • Personagens redondos são complexos, multidimensionais e geralmente passam por um desenvolvimento significativo ao longo da narrativa. Eles têm motivações, conflitos internos e nuances que os tornam mais realistas.

  • Por outro lado, personagens planos são mais unidimensionais e previsíveis. Eles têm características superficiais e não passam por um desenvolvimento substancial durante a história.

6. Personagens Arquétipos:

  • Esses personagens representam padrões universais e recorrentes na narrativa, como o herói, o sábio, o tolo, o mentor, a donzela em perigo, entre outros. Eles desempenham papéis simbólicos e podem ser facilmente reconhecidos pelos leitores.

7. Personagens Dinâmicos e Estáticos:

  • Personagens dinâmicos são aqueles que experimentam mudanças significativas ao longo da história, seja em sua personalidade, crenças ou circunstâncias. Eles aprendem, crescem e se desenvolvem.

  • Já personagens estáticos são aqueles que permanecem essencialmente os mesmos do início ao fim da narrativa. Suas características e perspectivas não sofrem grandes alterações.

8. Personagens Simbólicos:

  • Esses personagens representam conceitos abstratos, ideias ou valores maiores dentro da história. Eles têm um significado simbólico que vai além de sua função na trama e podem ajudar a transmitir temas e mensagens mais amplos.

9. Personagens Contrafigura:

  • São personagens que têm um papel oposto ao do protagonista, mas que servem para ressaltar ou iluminar aspectos do protagonista. Eles frequentemente contrastam com o protagonista de maneiras que realçam as características ou dilemas do protagonista.


Esses são alguns dos tipos de personagens comuns na narrativa, e é comum encontrar personagens que se encaixem em mais de uma categoria ou que tenham nuances únicas que os tornem diferentes. A variedade e profundidade dos personagens contribuem para a riqueza e complexidade das histórias.


Enredo: A Teia de Acontecimentos

O enredo é a sequência de ações que compõem a história, tecendo a trama e conduzindo o leitor ao desfecho. Ele é formado por:

  • Situação inicial: a apresentação do contexto da história, dos personagens e seus objetivos.

  • Conflito: o problema ou desafio central que o personagem precisa enfrentar.

  • Desenvolvimento: a sequência de ações e eventos que o personagem vivencia em sua busca por resolver o conflito.

  • Clímax: o ponto de maior tensão e suspense da história.

  • Desfecho: a resolução do conflito e o final da história.


O Senhor dos Anéis: Frodo Bolseiro embarca em uma jornada épica para destruir o Um Anel, enfrentando diversos desafios e perigos.

Toy Story: quando Andy vai para a faculdade, seus brinquedos se unem para evitar serem doados. Woody e Buzz Lightyear lideram a missão, enfrentando diversos obstáculos.


Narrador: A Voz que Conta a História

O narrador é a voz que guia o leitor pela história, revelando os acontecimentos e os pensamentos dos personagens. Ele pode ser:

  • Narrador-personagem: participa da história como um dos personagens, contando-a em primeira pessoa.

  • Narrador observador: narra a história de forma imparcial, em terceira pessoa, sem participar dos acontecimentos.

  • Narrador onisciente: conhece tudo sobre os personagens e a história, revelando seus pensamentos e sentimentos ao leitor.


O Diário de Anne Frank: Anne Frank narra sua própria história em primeira pessoa, compartilhando seus pensamentos e sentimentos.

Dom Casmurro: Bentinho narra a história de seu amor por Capitu, revelando sua visão subjetiva dos acontecimentos.

Grande Sertão: Veredas: o narrador onisciente acompanha a jornada de Riobaldo e jagunços, tecendo uma narrativa complexa e multifacetada.


Dominando os Discursos na Narrativa: Direto, Indireto e Indireto Livre

Na narrativa, o discurso se refere à maneira como o narrador ou os personagens se comunicam dentro da história. Existem três tipos principais de discurso na narrativa: discurso direto, discurso indireto e discurso indireto livre. Vamos explorar cada um deles com exemplos:


Discurso Direto:

No discurso direto, as palavras exatas dos personagens são reproduzidas dentro das aspas. Esse tipo de discurso permite aos leitores ouvir diretamente o que os personagens estão dizendo, dando uma sensação de proximidade e imediatismo.


  • Direto: "Eu te amo", disse Maria.


Neste exemplo, as palavras exatas de Maria são reproduzidas, permitindo que o leitor ouça diretamente a declaração dela.


Discurso Indireto:

No discurso indireto, as palavras dos personagens são relatadas pelo narrador, sem usar aspas. O narrador expressa as palavras do personagem em sua própria voz, geralmente com uma mudança para o tempo verbal adequado.


  • Direto: "Eu te amo", disse Maria.

  • Indireto: Maria disse que me amava.


Aqui, o narrador relata o que Maria disse, mas sem usar suas palavras exatas. Em vez disso, ele expressa o significado da declaração de Maria em suas próprias palavras.


Discurso Indireto Livre:

O discurso indireto livre é uma mistura dos dois tipos anteriores. Ele permite que as vozes dos personagens e do narrador se fundam, dando a sensação de que o pensamento do personagem está sendo transmitido diretamente ao leitor, sem a necessidade de aspas ou verbos de fala.


  • Direto: "Eu te amo", disse Maria.

  • Indireto: Maria pensou que me amava.


Neste exemplo de discurso indireto livre, o narrador relata o pensamento de Maria, mesclando-o com sua própria voz. Isso cria uma sensação de intimidade e proximidade com o ponto de vista do personagem.


Esses três tipos de discurso na narrativa oferecem aos escritores uma variedade de ferramentas para transmitir a comunicação entre personagens e narrador, cada um com suas próprias nuances e efeitos na experiência de leitura.


Espaço: O Palco da História

O espaço é o cenário onde a história se desenrola, podendo ser físico, psicológico ou social. Ele influencia diretamente os personagens e a trama, criando uma atmosfera específica para a narrativa.

  • Espaço físico: o local onde os acontecimentos se passam, como uma cidade, uma floresta ou um planeta distante.

  • Espaço psicológico: o estado mental e emocional dos personagens, como medo, alegria ou tristeza.

  • Espaço social: o contexto social e cultural em que a história se desenvolve, como época, costumes e valores.


As Crônicas de Nárnia: Nárnia é um mundo mágico criado pela


O tempo

O tempo é um dos elementos fundamentais da narrativa, exercendo um papel crucial na construção da história e na experiência do leitor. Ele se manifesta de diversas formas e possui um impacto significativo na estrutura e no significado do texto.

Funções do tempo na narrativa:

  • Organização da história: O tempo ordena os acontecimentos, definindo a sequência e a duração das ações. Através do tempo, o narrador pode construir uma narrativa linear ou utilizar recursos como flashbacks e flashforwards para criar suspense e revelar informações gradativamente.

  • Caracterização dos personagens: O tempo contribui para a construção da personalidade dos personagens, revelando suas mudanças ao longo da história e seus processos de amadurecimento. Através do tempo, o leitor pode observar como os personagens lidam com diferentes situações e como suas ações impactam o desenrolar da trama.

  • Criação de suspense: O tempo pode ser utilizado para criar suspense e manter o leitor intrigado. Através da manipulação do tempo, o narrador pode criar um clima de expectativa e incerteza, levando o leitor a questionar o que acontecerá a seguir.

  • Reflexão sobre a vida: O tempo pode ser utilizado para levar o leitor a refletir sobre a vida, a passagem do tempo e a inevitabilidade da morte. Através da narrativa, o autor pode explorar temas como a memória, a nostalgia e o significado da existência humana.


Tipos de tempo na narrativa:

  • Tempo cronológico: Refere-se à ordem real dos acontecimentos, seguindo uma sequência lógica de causa e efeito.

  • Tempo psicológico: Refere-se à percepção subjetiva do tempo pelos personagens, que pode ser distorcida por suas emoções e memórias.

  • Tempo histórico: Refere-se ao contexto histórico em que a história se passa, incluindo eventos e costumes da época.


Recursos para trabalhar o tempo na narrativa:

  • Elipses: Omissão de fatos considerados irrelevantes para a história.

  • Resumo: Narração rápida de um período de tempo extenso.

  • Dilatação: Narração detalhada de um curto período de tempo, geralmente para criar suspense ou destacar um momento importante da história.

  • Flashbacks: Retorno a um momento anterior da história.

  • Flashforwards: Antecipação de um acontecimento futuro.


Exemplos de diferentes usos do tempo na narrativa:

  • Em "Dom Casmurro", de Machado de Assis, o tempo psicológico é utilizado para explorar a memória e a dúvida do narrador.

  • Em "Cem Anos de Solidão", de Gabriel García Márquez, o tempo circular é utilizado para apresentar a história da família Buendía.

  • Em "Ulisses", de James Joyce, o tempo fragmentado é utilizado para explorar o fluxo de consciência do personagem principal.


Ao tecermos a complexa tapeçaria da narrativa, diversos elementos se entrelaçam, criando um universo ficcional que captura a nossa atenção e nos transporta para outros mundos.

Personagens: Seres de carne e osso, ou figuras fantásticas, habitam a história, impulsionando-a com seus desejos, conflitos e decisões. Através de suas ações e pensamentos, somos levados a refletir sobre a natureza humana e as nuances da vida.
Enredo: A trama se desenrola em um emaranhado de acontecimentos, ora calmos, ora tempestuosos, conduzindo-nos por um caminho de descobertas e incertezas. O ritmo da narrativa, ora acelerado, ora lento, contribui para a criação de suspense e emoção.
Tempo: O tempo é o maestro da história, ditando o ritmo dos acontecimentos e moldando a experiência do leitor. Através da manipulação do tempo, o narrador tece uma complexa teia de memórias, expectativas e reflexões.
Espaço: O palco da história ganha vida com cores, texturas e sons, transportando-nos para lugares reais ou imaginários. O espaço molda a atmosfera da narrativa e influencia o comportamento dos personagens.
Narrador: A voz que nos guia pela história, ora onisciente, ora observadora, ora participante. O narrador tece a narrativa com sua perspectiva única, influenciando nossa compreensão dos acontecimentos e dos personagens.
Discurso: As palavras escolhidas pelo narrador para dar vida à história são ferramentas poderosas que evocam emoções, criam imagens vívidas e revelam a personalidade dos personagens.

Compreender a interconexão desses elementos é fundamental para desvendar os segredos da narrativa e mergulhar de corpo e alma no universo ficcional criado pelo autor.


E, ao final da jornada, resta-nos a reflexão sobre as mensagens que a história nos transmite, as lições aprendidas e as emoções despertadas.


A narrativa, em sua forma mais pura, é uma arte que nos convida a explorar a vastidão da imaginação humana, a questionar o mundo que nos cerca e a celebrar a beleza da linguagem.

49 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page