1.png

Elementos da Narrativa

Os elementos da narrativa são essenciais numa narração que, por sua vez, é um relato dos acontecimentos e ações de seus personagens.

Podemos citar como exemplos de textos narrativos um romance, uma novela, uma fábula, um conto, etc.

A estrutura da narrativa é dividida em: enredo, tempo, narrador, personagens, espaço, clímax e desfecho.

A) Enredo

O enredo, é o conteúdo que dá construção ao texto da história. Trata-se de ser o assunto da trama, contada de maneira linear ou não linear. 

Todo enredo tem um núcleo, que chamamos de conflito. É por meio desse conflito que determina-se o nível de tensão (expectativa) para prender o leitor. É, ainda, no enredo que os acontecimentos da história se desenrolam.

Tendo como narrativa um conflito, existem alguns tipos de estrutura para a organização e melhor desenvolvimento do texto.

A forma mais conhecida de enredo é a que começa pela exposição da situação, citando personagens, tempo e espaço. Os fatos são narrados a partir da complicação e finaliza-se com o clímax da história. Na conclusão do enredo tem-se o desfecho. 

Uma forma menos comum de começar um enredo é pelo desfecho. Esse tipo é normalmente visto em textos jornalísticos, que apresenta a informação rápida e precisa. Essa forma dá, ao leitor, a oportunidade de continuar ou não a leitura, dependendo do seu interesse.

O enredo também pode ser construído somente através de diálogos, dando voz aos personagens podendo, inclusive, dispensar o narrador.

O enredo também aparece em outros tipos de texto, além do texto narrativo. O fator narrativo que que estabelece a forma como o enredo vai ser contado é o tempo.

B) Tempo

O tempo determina o período em que a história se passa. Há dois tipos de marcação de tempo na narrativa: os tempos externos e internos. 

Os tempos externos de uma nova narrativa determinam o tempo do escritor, que faz referência ao tempo histórico de sua vida. Essa marcação de tempo interfere na organização da sua narrativa conforme os valores da época dos personagens e com os movimentos literários.

O outro tipo de tempo externo é o do leitor. Nessa marcação, um texto escrito no século XVIX, por exemplo, pode ser lido na própria época e depois por um leitor de outro tempo. Por serem leitores que possuem valores e expectativas diferentes, a leitura será interpretada também de maneira diferente. 

Os tempos internos da narrativa consideram uma análise das relações entre a história e o discurso. Esse tipo de marcação temporal é cronológico, podendo ser explicitada pelo narrador ou deduzida pelo leitor. 

No tempo da história mostra-se a dimensão humana da ordem dos acontecimentos. Com isso, além da marcação cronológica, ocorre o tempo psicológico, em que o tempo cronológico aparece distorcido em função das vivências subjetivas dos personagens. 

O tempo interno do discurso é a representação narrativa do tempo da história, que aparece de forma linear, enquanto o leitor lê a história.

O tempo da narrativa diz respeito ao desencadear das ações, e pode ser dividido em:

I. Cronológico
Está relacionado a passagem das horas, dos dias, meses, anos etc.

II. Psicológico
Está relacionado às lembranças da personagem e aos sentimentos vivenciados por ele.

C) Narrador

Um dos principais elementos narrativos é o narrador. Ele é o responsável por conduzir a narração da história, representando a “voz” do texto.

O narrador pode ser classificado em narrador personagem, que participa da história; narrador observador, conhece a história, observa e relata os fatos na 3ª pessoa do singular; e narrador onisciente, que conhece toda a história, conhece os outros personagens, inclusive comportamentos, pensamentos e ideias, com narração em 1ª pessoa ou 3ª pessoa.

O narrador também pode utilizar recursos temporais como a proporção do tempo da história no discurso. Ele pode explorar anos da vida da personagem em poucas linhas ou desenrolar em algumas páginas. Assim, o narrador pode resumir alguns fatos e destacar outros, de acordo com o foco de seu discurso narrativo. 

I. Narrador personagem
Neste caso, o narrador participa da história, e por isso o texto é escrito em primeira pessoa do singular ou plural (eu, nós).

II. Narrador observador
Também existe a possibilidade de o narrador não participar da história. Ele observa a situação de fora, o que faz o texto ser escrito em terceira pessoa (ele, ela, eles, elas).

III. Narrador onisciente
É aquele que sabe de todos os fatos, mesmo que não participe da história. Sua compreensão costuma ir além dos acontecimentos. Ele consegue narrar até mesmo os pensamentos e sentimentos dos personagens, como se tivesse um conhecimento sobrenatural.

Pelo falo desse narrador conhecer muito os personagens, bem como seus pensamentos, sentimentos, ideias, atitudes, etc, ele pode opinar sobre tais comportamentos ao longo da narrativa.

D) Personagens

Além de um bom enredo, os personagens são elementos da narrativa que também ajudam a contar uma boa história. 

Como elementos da narrativa, os personagens são as pessoas que estão presentes na história. Eles recebem classificações diferentes conforme o nível de atuação e importância.

 

I. Protagonista

É o personagem principal da história, cuja apresentação normalmente é mais bem desenvolvida. A experiência do protagonista é o foco da narrativa, por isso ele é tão importante. 

 

II. Co-protagonista

Ajudam a enriquecer a história, permitindo que diferentes abordagens do tema central sejam explorados. É o personagem que possui relação de proximidade com o protagonista. 

 

III. Antagonista

É o personagem que atua como obstáculo para o protagonista, dificultando na realização dos objetivos do personagem principal. 

IV. Oponente

É o personagem que tem uma relação próxima com o antagonista e compartilha, em algum nível, o mesmo desejo que ele.

V. Coadjuvante

Personagem de menor importância, mas que ajuda no desenvolvimento da história.

 

VI. Figurante

Personagem de menor importância, usados para compor o cenário. Assim, não tem relação com o enredo ou nenhum dos personagens. São usados apenas para compor um cenário.

E) Espaço

O espaço da narrativa é o local onde ela se desenvolve. Ele pode ser físico ou mesmo psicológico.

No primeiro caso, o local onde se passa a história é indicado seja uma fazenda, uma cidade, uma praia, etc. São classificados em espaços fechados (casa, quarto, hospital, etc.) ou abertos (ruas, vilas, cidades, etc.).

Já o espaço psicológico é o ambiente interior de um personagem, ou seja, não há um espaço físico que seja revelado. Portanto, nesse caso, a história é narrada num fluxo de pensamentos, de sentimentos.

F) Clímax

É o ponto da narrativa em que a ação atinge seu momento crítico, tornando o desfecho inevitável.

G) Desfecho

É a solução do conflito produzido pelas ações dos personagens.

Fonte:

https://www.todamateria.com.br/elementos-da-narrativa/
https://www.educamaisbrasil.com.br/enem/lingua-portuguesa/elementos-da-narrativa

https://mundoeducacao.uol.com.br/redacao/narracao.htm#:~:text=Cl%C3%ADmax%3A%20%C3%A9%20o%20ponto%20da,texto%20narrativo%2C%20s%C3%A3o%20elementos%20vitais.